Minha foto
Nome:
Local: São Paulo, SP

quarta-feira, junho 17, 2009

Bagagem de mão

Já contei aqui que meu tio tem uma roça na praia: ele mora numa praia tranquilinha no Espírito Santo, bem perto de Vitória, e construiu a casa e comprou os terrenos do lado quando Bicanga ainda era uma aldeia de pescadores e não tinha ninguém.

Então, numa parte do terreno fica a casa, reduto social da civilização baioquense, e nos terrenos ao lado, duas vezes maiores que os da casa em si, fica a roça, com galinha poedeira, nem sei quantos pés de frutas, hortinha - do lado da casa também tem uma, para consumo mais imediato - legumes e por aí vai.

Meus pais foram de Brasília pra Vitória, passar uns 10 dias. Voltaram pra casa ontem, de avião, trazendo na bagagem de mão:
- raddichio da hortinha, porque meu sobrinho de 7 anos adora;
- uns 50 cajás;
- polpa de cajá;
- feijão guando (não, eu não sei o que é feijão guando, mas minha mãe disse que servia pra passar dor de dente quando ela era criança, vai vendo);
- um queijo;
- bucha para esfregar as costas;

And last, but not least...

UM GALO caipiro-praiano, já limpo, depenado, pronto pra cozinhar.

26 Comentários:

Blogger Virgínia disse...

Eles levaram porque, apesar de ter galo capira no DF, não tem galo praiano-capira e isso faz toda a diferença! kkkkkkk

9:58 AM  
Anonymous Anônimo disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
E vc perguntou como sua mae levou a bagagem?
Ela fazia de conta q era uma bolsa de maquiagem ou roupa sei la...para o povo nao barra...e a bolsa tava pesadonaaaaaaaaaaaaaaaaa!!!


ahahahahaha
ai o ABEL....eu nao dou conta!!!

bjus

Nana

10:19 AM  
Anonymous Anônimo disse...

ah! só mais uma coisa...sua mae nao te falou tbm nao o q ela ganhou em plena festa de Sto Antonio em Demétrio?

Em breve....fotossss reveladoras!!!

ahahaha


Nana

bjus

10:22 AM  
Anonymous vivi disse...

Pois é, Clau!!
FIquei bem curiosa pra saber como o bendito galináceo chegou ao Distrito Federal.
COMO?
Beijos

10:57 AM  
Blogger Renatinha disse...

Como assim? Em Brasília não vende galinha caipira?????
rsrssr
beijos

11:45 AM  
Blogger Cláudia disse...

Meninas, tudo na bagagem de mão. MInha mãe contou que subiu as escadas do avião - Vix não tem finger - com aquela sacola pesadona, e disfarçando que tava leve leve...

Nana, aguardo as fotos!

Re, em Brasilia até pode ter galinha caipira, mas PRAIANO-CAIPIRA, jamais!

beijo

1:09 PM  
Blogger Dedinhos Nervosos disse...

Minha Nossa Senhora!!! Pagou quantos milhões de excesso? rsrs

5:24 PM  
Blogger Cláudia disse...

Pagou nada, Ana, por isso que foi na bagagem de mão, pra não pagar excesso, senão, seriam os cajás mais caros do mundo!
bj

6:52 PM  
Anonymous Ana Rita disse...

hahahahhaa
Coisas de familia... rs
Ainda bem que nem sempre a gente tá do lado pra presenciar o mico!

11:16 PM  
Blogger Cláudia disse...

Ana, na minha família a coisa é bem feia no que diz respeito a mico. Eu vim de lá, em janeiro, com ovo caipira, queijo, manga e graviola na bagagem de mão.
E ai de ti se não trouxer! Ofensa máxima!
beijo

11:26 PM  
Blogger Dedinhos Nervosos disse...

Na bagagem de mão??? rsrs

Ps. É Anna, com 2 enes, please! rs

2:05 PM  
Blogger Cláudia disse...

Anna, desculpa, vou me lembrar!
Na bagagem de mão, só faltou a penca de caranguejos.
bj

8:37 PM  
Anonymous Márcia Sarcinelli disse...

Impressionante como só encontrando Baioccos, Mazegas, Casottis e Campagnaros explicam-se certas síndromes. Rapaz... Essa italianada da roça é tão parecidinha.
Mais uma vez, parabéns pelo seu blog. Como boa obsessiva-compulsiva, li (aquele sobre a reunião da família em Demétrio), gostei, li de novo e acabei desenvolvendo uma dependência literária. Espero que você continue a escrever, porque sou muito apegada aos meus vícios.

11:44 AM  
Anonymous Márcia Sarcinelli disse...

By the way, esse galo depenado, esses cajás, esse raddicchio, essas bagagens de retirante...tive um surto de déjà-vu. Agora eu acho tudo isso muito pitoresco, mas a minha adolescência foi marcada por micos homéricos. Sofri horrores.
Enfim, sobrevivi a estes e outros percalços e...surpresa! Submeto o meu filho aos mesmos vexames. Posso ser mais urbana, ma, porca miseria, tenho alma de carcamana da roça.

12:06 PM  
Blogger Cláudia disse...

NÃO TÔ ACREDITANDO QUE TEM UMA SARCINELLI COMENTANDO AQUI NO BLOG!!!

Primeira família da roça a ter eletricidade em casa! Televisão! Telefone!
Sua família é praticamente um mito, Marcia, que legal ter você aqui!
Só me falta aparecer agora a Adriana Bollis pra eu infartar de vez, porque até o filho da Bernadete Campagnaro eu já achei.

Se você for lendo posts antigos, vai ver que vários falam sobre a roça - veja em agosto de 2006 o post sobre o enterro da minha avó, em Demétrio.

beijo

12:42 PM  
Anonymous Márcia Sarcinelli disse...

Caspita! A Bernardete era minha amiguinha de priscas datas.
E veja como eu sou predestinada: meu primeiro marido era neto de italianos, o segundo é italiano vero e proprio e o meu filho vai se casar no final do ano com uma linda moça de Santa Teresa. Mais uma italianinha da roça pra perpetuar essa saga.
Baci!

12:57 PM  
Anonymous Márcia Sarcinelli disse...

Não seria agosto de 2005? Foi esse o primeiro texto seu q eu li. Até deixei um comentário. E uma Baiocco apareceu lá também.

1:06 PM  
Blogger Cláudia disse...

Márcia, isso mesmo, 2005, vou lá ver os comentários!
Minha mãe quer saber de quem você é filha.
bj

7:15 PM  
Blogger Cláudia disse...

Marcia, acabei de ler, minha mãe lembra bem do seu pai, o Guilherme.
E da sua tia, a Clarice Iracema, a Licinha, que elas brincavam de grupo escolar e a Licinha colocava salto alto pra fingir que era a professora.
E do seu tio José Augusto e do seu outro tio, o Eduardo. E da Gema.

Minha mãe quer saber se sua mãe é irmã da Gleci, que era diretora do colégio onde ela estudava quando era menina.

Mundo muito, muito pequeno... Você ainda mora ali por João Neiva?
beijo

7:21 PM  
Anonymous Anônimo disse...

E as idas à praia do forte, com isopor e tudo? Dia todo, com direito a coca cola pra bronzear...Faz post!!!
Bjs Rosana.

10:06 PM  
Anonymous Márcia Sarcinelli disse...

Na verdade, eu nunca morei em João Neiva, só ia à fazenda passar férias quando era pequena e só fui morar em Vitória depois de casada. Moramos em BH e no Rio e agora eu moro em São Paulo.
Glecy é irmã da minha mãe, sim. Agora ela é secretária da cultura em João Neiva e está se divertindo a valer, além de se matar de trabalhar. Ela adora aquilo lá.
E NATURALMENTE meu pai vai querer saber de quem você é filha, pra ele poder falar nesse assunto durante meses a fio.
Beijo.

11:12 PM  
Blogger Cláudia disse...

Marcia, também moro em Sao Paulo. Quando meus pais vierem a gente podia marcar um café né?
Sou filha da Duziana, neta do Gregorio Baioco. Seu pai é mais velho que ela, mas certamente ele deve se lembrar.
Acho que te achei no orkut e te adicionei, lá tem um monte de fotos, inclusive uma tirada há uma semana, da minha mãe e seus irmãos, mostra pra ele!
beijo

8:36 AM  
Anonymous Márcia disse...

Acho q vc encontrou a Márcia errada no orkut. Eu só tenho uma página praticamente em branco, q uso apenas pra bisbilhotar filho e inimigos. Tentei deixar um recado no seu, mas fui imediatamente rejeitada.

Liguei para os meus pais em Vitória (toda a minha família mora lá, só eu moro em São Paulo) e eles ficaram estarrecidos com essas maravilhas tecnológicas q nos permitem localizar os bravos filhos de João Neiva e Demétrio Ribeiro espalhados por esse mundão afora. Enquanto eu falava com a minha mãe ao telefone, meu pai ficava do lado, aos berros, desfiando toda a genealogia dos Baiocco.

A Adriana Bollis era bem mais nova que eu, mas também participava das nossas brincadeiras com a irmã dela, Catarina. Lembro que a D. Joana Bollis fazia a melhor bala de côco de todos os tempos.

Não sou um tipo saudosista e não gosto de mato ou de roça. Mas foi bom relembrar aquelas férias na fazenda, os cajás, a ambrosia, a puína, o sorvete de côco verde, o pão caseiro, o forno a lenha e o meu avô, que era tão durango e sisudo, mas que tinha alma de poeta da renascença. Good old times.

12:44 PM  
Blogger Capi Belezinha disse...

Minha avó chama-se LUZIA SARCINELLI, inclusive hoje ela foi pra João Neiva visitar as irmãs - Emília e Lucimar.Ainda tem Tia Rosa e Tia Laura que moram lá. Hoje moramos em Vila Velha e não sei bem dessa história de família mais rica de João Neiva naum...rsrs...Somos descendentes de Celeste Sarcinelli que veio de Treviso, mas todos eram pobres...Se tem uma ramificação da família que era Rica...aff...gostaria de conhecer.
Um abraço...

8:15 PM  
Blogger rogerioromano disse...

Minha família e a parte rica : CELESTE SARCINELLI É PAI DE JOSEPHINA SARCINELLI ROMANO CASADA COM VINCENZO ROMANO QUE SÃO PAIS JOSE ROMANO, CARMEN ROMANO

6:50 PM  
Blogger rogerioromano disse...

RUDO LÁ DE JOAO NEIVA

6:51 PM  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial