Minha foto
Nome:
Local: São Paulo, SP

quinta-feira, abril 08, 2010

Momento de decisão!

Desde que escrevi o post Memória afetiva recebi algumas sugestões do que fazer da próxima ver que cruzar com ELE por aí.

Eita povo com imaginação! Como as ideias são muitas e variadas, resolvi listá-las aqui e submetê-las à votação dos meus incontáveis leitores e ver qual sugestão é a melhor - rapazes, manifestem-se, opiniões masculinas são sempre bem-vindas!

1. Mandar um bilhete pelo garçom
Achei simpático, e eu escrevendo sou melhor do que falando. Mas imaginem a situação: ele num almoço de negócios ou com algum colega de trabalho, uma vez que ele trabalha no prédio, e o garçom entregando um bilhetinho dizendo: foi aquela moça daquela mesa ali que mandou... Muito constrangedor!

2. Ainda referente ao tópico 1
Escreveria o quê? Oi lembra de mim? ou talvez Nossa, quanto tempo, nem acredito! ou dou uma de doida e mando um Falaê, gostosão!

3. Abordá-lo
Oi, você não é ELE, que morava na 103 norte, no bloco tal, apartamento tal, que saía de casa tal hora, voltava tal hora...

4. Abordá-lo II
Oi, eu te conheço de algum lugar... e ficar ali fingindo que vasculho minha memória pra me lembrar de onde, enquanto ele fica ali parado na minha frente pensando se sou louca mansa ou perigosa.

5. Abordá-lo III
Oi, tudo bem? Lembra de mim? e me arriscar a ouvir como resposta um Não, com sotaque gaúcho e tudo.

6. Abordá-lo, situando no tempo IV
Oi, tudo bem, você não é o irmão do Fulano? Eu sou a Cláudia, amiga dele, lembra de mim? e aí a resposta pode ter várias opçoes:
IVa: lembro, claro, você ia sempre lá em casa e fazia uns bolos medonhos. Aí eu ia rir disso, porque eram mesmo medonhos, e falariamos brevemente do assunto;
IVb: lembro, claro, você era aquela tonta que me idolatrava, não era?
IVc: lembro. Assim, seco, o que me fará responder ah tá, era só isso, tchauzinho;
IVd: não, desculpe, não lembro. E aí eu tenho uma desculpa bem boa pra tomar um sundae do mcdonalds. Duplo.
IVe: lembro, claro, como você está? mundo pequeno bla bla bla.

7. Fingir acaso
Tropeçar, derrubar alguma coisa para chamar atenção, rir alto bem do lado dele. Do jeito que sou desastrada, nem seria difícil a manga do meu casaco grudar na cadeira dele, totalmente sem querer, e ainda suja de molho.


Isso tudo considerando que algum dia nossos caminhos se cruzarão novamente. Quando isso acontecer - tem de falar quando e não se, pra não confundir o santo, segundo a sogra da minha irmã, senão ele nao sabe se você quer aquilo ou não - prometo tomar uma atitude!

Afinal, não sou mais uma menina de 14 de short jeans e chinelo de dedo, não?

Não?

13 Comentários:

Blogger MH disse...

Ah, valeria bem a pena encarar o moço... Eu descobri que as pessoas lembram tanto da gente quanto a gente delas, ainda que de formas diferentes. Fala, fala, fala!

10:17 AM  
Blogger Ana disse...

Ahh eu tb acho que vale a pena! Pensa pelo lado negativo: qual a pior coisa que poderia acontecer? Ele não lembrar, ou ser grosso? Ai vc teria a certeza que foi bom não ter rolado nada, pq ele é um idiota.
Agora, e se ele for um fofo?? E se vcs engatarem o maior papo?? Eu acho sempre válido tentar.

10:36 AM  
Blogger Manusen disse...

Já pensou se ele acaba lendo esse blog? Ia ser muito engraçado!

E também acho que deveria falar com ele...melhor se arrepender de ter ido falar do que viver com a angústia de 'vai ou não vai'

;)
;*

11:13 AM  
Anonymous Anônimo disse...

Que bom vc colocou teu blog no Facebook, assim posso salvar de novo! =)
Falaaaaa... certeza!! Eles sempre se lembram... casa um com sua lembrança, claro! Boa sorte! é uma delicia esse encontro...

Bejao
Ana Rita

11:49 AM  
Blogger Dedinhos Nervosos disse...

Eu tb sou melhor escrevendo do que falando! ahah. Bem, eu mandaria o tal bilhetinho divertido. Não sei o que escreveria, mas escreveria alguma coisa, com certeza. O bilhetinho pode ser entregue na hora que ele receber a conta, que aí o povo já vai sair mesmo... haha

11:59 AM  
Blogger Cláudia disse...

Pessoal, vou arriscar!
O que tenho a perder além do orgulho, da vergonha na cara, do amor próprio e da autoestima? rs
beijos

2:06 PM  
Anonymous Bacamart disse...

Well. Aborde o cara com a abordagem IV, simples, direta e rasteira.
Afinal, você nao tem mais 14 anos, e quem sabe ele tambem nao imaginava voce como a Deusa da quadra?

2:27 PM  
Blogger Giovanna disse...

hum, tô doida pra saber como essa estória vai acabar.... ou começar, quem sabe??? considere que vc está fazendo isso não apenas por vc, mas por todos nós que desejamos saber no que isso vai dar, afinal...rs.. que tal começar com um simples "oi, vc não é o fulano?"...

3:12 PM  
Blogger Cláudia disse...

Bacamart, menos, beeeem menos.
Giovanna, tá parecendo novela né?
beijos

7:21 PM  
Blogger Renatinha disse...

eu botaria minha carinha a tapa e na lada falaria, oi, estava te olhando e lembrei, te conheço de tal lugar, sou a Claudia, opa, solteira, opa, minha casa ou sua casa? rsrsrs
o destino escolhe!
beijos
Re

7:59 PM  
Blogger Cláudia disse...

Re, nós ainda vamos dominar o mundo!
beijos

8:19 PM  
Blogger Giovanna disse...

é, mas daquelas boas, que fazem a gente chegar mais cedo em casa, só pra não perder um bloco sequer..rs.. bjo

10:49 AM  
Blogger Lala disse...

Eu também tenho uma "memória afetiva". Mas sabe quê? Acho que ela sobrevive melhor no passado. Fica ali, que é o lugar dela. Da minha, bem entendido. Só que se essa memória afetiva fosse uma coisa da minha infância, e fosse irmão de um amigo querido, eu possivelmente diria: Oi, ELE, tudo bem? Não sei se você se lembra de mim, era sua vizinha na 103 N.
Ainda mais sendo em outra cidade, eu, fosse a memória, ia gostar. mesmo sendo casado e feliz, ia curtir.

11:21 AM  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial