Minha foto
Nome:
Local: São Paulo, SP

sexta-feira, abril 24, 2009

Surpresa especial


eu e Lina, no nosso colégio, o La Salle - Brasilia, anos 80

Como já mencionei algumas vezes aqui, eu acho a internet um excelente canal de comunicação e acho que ela é poderosa em aproximar as pessoas. Para mim, sempre foi uma forma a mais de manter contato com meus amigos, aliás, depois do contato físico em si, o messenger é minha principal ferramenta para isso.

De que outra forma pode-se conversar com os amigos durante o horario de trabalho, por exemplo, sem que um atrapalhe o outro? Tá certo que às vezes um papo que levaria 15 minutos leva duas horas, porque um escreve, o outro tá ocupado e demora pra responder, aí o outro não tá na mesa e só volta meia hora depois da reunião, mas seria impossível ficar telefonando pra as pessoas no meio do expediente, sem contar que, no meu caso, a falta de privacidade impera, não tenho uma sala só pra mim, e falar no telefone é socializar o assunto.

Orkut então... já encontrei tantas pessoas queridas por meio dele! Uma amiga da oitava serie que hoje mora em Salvador, que até hoje é amiga de uma outra que foi no meu aniversário de 15 anos com faixa de Xanadu an cabeça. Um amigo que me tinha feito uma poesia quando eu tinha 13 anos e que até hoje sei de cor. Outros amigos de colégio, de trabalho, de faculdade, de tudo!

É fato que algumas pessoas merecem ficar no passado, não por serem necessariamente ruins, mas porque não têm absolutamente nada a ver com o que sou hoje e o reencontro pode ser uma decepção. Prefiro, porém sempre arriscar, porque também pode ser uma delícia!

Como foi hoje.

Eu e Lina éramos melhores amigas nos tempos do colégio, em Brasília. Grudadíssimas, a ponto do pai dela só deixá-la ir pra balada - que nessa época nao se chamava balada - se fosse comigo, e só deixava ela dormir fora de casa se fosse na minha casa.

Acabado o colégio, cada uma foi fazer alguma coisa da vida, ainda nos víamos, mas bem menos que antes, eu já estava quase noiva do meu ex-marido, essas coisas. Porém, a considerava ainda como minha melhor amiga, nos falávamos pelo telefone, fui ao casamento da irmã dela, essas coisas.

Um belo dia, abro eu o jornal, na coluna social, sabe-se lá porque motivo - destino? sempre ele! - e vejo lá a noticia de que ela estava se casando naquele fim de semana. E nem tinha me contado, muito menos me convidado. Para mim, aquilo foi como uma punhalada, fiquei triste e acabei mandando um telegrama irônico, do qual me arrependi muito logo em seguida, porque afinal eu estava mesmo era triste, achando que ela tinha aberto mão totalmente da nossa amizade.

Poucos meses depois do casamento, não o tempo suficiente para tal, ela teve uma menina, e, quando eu soube disso, escrevi uma carta - anos 80, era tudo ali na munheca mesmo - emocionada, dizendo o quanto eu desejava ter estado no casamento dela, e o quanto aquela menina significava para mim, sendo filha dela, e tentando entender o motivo pelo qual ela nao tinha nem mesmo me contado que estava grávida e ia se casar.

Mandei a carta e alguns dias depois ela me ligou. Explicou que tinha ficado grávida de um namorado pelo qual ela nem era assim tão apaixonada, e que o pai dela não admitira que ela não se casasse com ele, que além de tudo quis fazer um megacasamentão na catedral de Brasília, e que ela não tinha convidado ninguém dos amigos dela, porque ela estava triste e envergonhada. Aí mesmo que me corroí de culpa pelo telegrama mal-criado, porque jamais tinha me passado pela cabeça que alguma coisa podia ter acontecido de errado pra ela se isolar - para mim, ela estava era me rechaçando.

Em nossa defesa, digo que tínhamos apenas 18/19 anos. Duas meninas: ela, mãe de uma menininha; eu, prestes a me casar.

Nos revemos no meu chá de panela, no qual ela foi com a garotinha dela, foférrima com um aninho, depois no meu casamento, depois no primeiro aninho da Bela, e aí a vida se encarregou de nos separar por longos anos.

Hoje, porém, entro na minha página do orkut e está lá: Lina Menezes quer ser sua amiga. Como assim, quer ser minha amiga? Ela sempre tinha sido, eu já tinha tentado reencontrá-la sem sucesso.

Pra resumir, nos penduramos por umas 3h no messenger, e teríamos ficado lá a noite toda talvez não fosse Bela querendo usar o computador e ela tendo um compromisso com o namorado.

Eu dificilmente a teria encontrado se não fosse pela internet. Porque minha irmã até a encontrou um dia por acaso, acho que trabalham meio perto uma da outra, só que nunca rolou da gente se encontrar desta maneira.

Que delicia ver que a filha dela se formou na faculdade e que a carinha da minha amiga continua igual igual. E que, quando eu for a Brasilia, teremos a oportunidade de nos revermos, e colocar anos e anos de assunto em dia!

8 Comentários:

Anonymous Anônimo disse...

O pai dela (Benedito?)trabalhava no Tribunal e me falou que ela estava no gabinete do Sarney, mas não me deu o número, depois ele ficou doente e saiu de licença. Ele faleceu e aí...é isso.
Bjs Rosana.

4:42 AM  
Anonymous Anônimo disse...

Opalão ao fundo...
Bjs Rosana.

4:43 AM  
Blogger Cláudia disse...

O pai dela se chamava Carlos Benedito, e ele morreu sim, há 3 anos, Rosana.
beijo

9:41 AM  
Blogger Lina disse...

Amiga, que emoção senti ao ler este relato! Fiquei mesmo arrepiada e as lágrimas me vieram aos olhos... Confesso que você narrou passagens que o tempo me fez esquecer: as coisas ruins, o medo do desconhecido que estava por vir, o afastamento da minha vida maravilhosa (que só depois a gente descobre o quanto era maravilhosa!). Saber de novo o que você sentiu naquele momento também me corroeu!!! Percebi o quanto nos preocupamos com o nosso umbigo, mas esquecemos que ele está ligado a tudo aquilo que nos nutre de vida: a família e os grandes amigos. Mas a vida me fez aprender muitas coisas! E uma delas é nunca mais me afastar de meus amigos queridos e sinceros, seja qual for o problema que se nos apresenta... eles até, na maioria da vezes, são a nossa força e a nossa luz para enfrentá-lo!
Por isso, passados mais de 24 anos, peço sinceramente a você que me perdoe, que nos perdoe por esse afastamento. Nunca esqueci de você e de nossas aventuras! E ainda é minha melhor amiga!!! Amo você, de verdade.
Beijos
Lina

10:09 AM  
Blogger Cláudia disse...

Lina... nem sei o que te dizer... mas te reencontrar foi mesmo uma emoção enorme para mim, e tomara que a gente possa se encontrar pessoalmente em breve!
beijo

2:33 PM  
Blogger MH disse...

que coisa boa...

adoro esse lado da internet, todos os reencontros proporcionados!

beijo

1:53 PM  
Blogger ANNA disse...

Que bom que vcs se reencontraram.
Amigos assim são o que há de melhor no mundo!
Beijos
urbAnna

8:07 AM  
Anonymous Anônimo disse...

Como assim sua melhor amiga?????????? tô arrasada...snif, snif... vou agora mesmo botar fogo no meu macacão branco e apagar "can you see the light" do meu micro....rs...rs...rs...

2:07 PM  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial