Minha foto
Nome:
Local: São Paulo, SP

sexta-feira, abril 16, 2010

Desabafo

A mais recente novidade trabalhista diz respeito ao relógio de ponto com relatório impresso em tempo real para o trabalhador. A ideia é coibir as empresas que fraudam os relatórios de horas extras para não pagá-las.

Hoje o trabalhador vai lá, coloca o dedinho, o relógio lê a digital e marca o horário. No fechamento da folha, você puxa esses dados e imprime o relatório das horas extras ou devidas, o programa já faz o cálculo e vêm ali, todos os minutos a pagar ou a descontar.

Porém, na velha visão de que as empresas são o Lobo Mau e os trabalhadores, a Chapeuzinho Vermelho - esquecendo convenientemente, é claro, que no fim da história quem se ferra é o Lobo Mau - o governo baixa nova norma para proteger os trabalhadores, e de quebra favorecer algum fabricante de relógio de ponto com impressão, só pode, já que a mudança vai custar pelo menos dois mil reais, pagos pela empresa, lógico, porque ela é sempre o bicho-papão. Agora, na hora que o trabalhador colocar o dedinho, o relógio emitirá um comprovante com dia e hora da ação.

Além do fato de que com a economia a galope do jeito que está os trabalhadores com qualificação estão disputadíssimos e as empresas só faltam carregar no colo para mantê-los, a medida vai na contramão da tendência ecológica mundial de economizar os recursos naturais e dimiuir o lixo, papel incluído. Pelo tamanho do papel do relatorio emitido pelo relógio, admitindo-se que cada trabalhador bate o ponto ao menos 4 vezes por dia - quando chega, quando sai para almoçar, quando volta do almoço e quando vai pra casa - cada trabalhador vai consumir, por dia, 1/4 de folha de sulfite - a adoção do sulfite é somente para referência. Em um mês útil, de 22 dias, ele terá consumido 5 folhas e meia de sulfite, em um ano serão 60,5 folhas, já descontados 30 dias de férias.

No caso da IC, que são 14 funcionários, serão 847 foilhas de sulfite, uma resma inteira e mais 70% da outra. Transporte esses números para uma empresa com 10 mil funcionários.

Em vez dessa visão batida e retrógrada de que os pobres funcionários são criancinhas de 5 anos, ingênuos, inocentes, e capazes de ser enganados por qualquer um que lhes ofereça um pirulito, o governo faria bem mais pelos próprios trabalhadores e também pelo processo produtivo se fomentasse cursos de capacitação, se melhorasse o ensino fundamental e o médio, se criasse mais escolas técnicas e fiscalizasse essas faculdades onde o aluno entra analfabeto e sai de lá sabendo escrever o nome por extenso e olhe lá.

E parasse de nos tratar como se fôssemos discípulos de Lúcifer. Quem tem má índole, tem má índole sempre, vai arrumar uma forma de fraudar sempre, e medidas dessa natureza só castigam e oneram quem anda na linha e fazem você pensar até que ponto vale a pena investir na produção e seguir as leis. De verdade.

8 Comentários:

Anonymous Anônimo disse...

Eu li uma discussao sobre isso...Realmente nao tem sentido.

Um absurdo!!!
O q vc falou é fato:" Quem tem má indole...tem sempre"

Bjus e boa sorte

Nana

1:01 PM  
Blogger UrbAnna disse...

Mais uma vez, 100% apoiada!
Eu até acho bacana o esquema do ponto digital, mas ele não é tão prático assim quanto demonstra ser.
Nas nossas obras nós já usamos o ponto digital, só que é construção civil, né? Trabalho pesado, pessoal com "mão na massa" literalmente. Com o tempo a digital dos trabalhadores vai ficando cada vez mais fraca, alguns não conseguem nunca bater o ponto com a digital, isso causa uma confusão sem tamanho!!!
E além de tudo quem gosta de burlar o sistema vai achar uma forma de burlar de qualquer jeito!!!
beijo

2:57 PM  
Blogger Renatinha disse...

A grande qusetão toda é que quem paga a conta pelos desonestos, são os honestos... que tem que provar que faz tudo certinho e tenho certeza que alguém vai aprender a burlar isso e vc, honesta e empresária, pagará a conta deles de novo, e de novo...
beijos
Re

3:04 PM  
Anonymous Eduardo Santos disse...

Cláudia, é típico do populismo que vem caracterizando as políticas trabalhistas do atual governo federal. E não só nesse, aliás: em 2000, por exemplo, uma lei (nº 9.956/2000) proibiu, em todo o território nacional, a instalação de bombas de abastecimento self-service em postos de gasolina. Aqui no Rio, outra lei, essa estadual, obriga os supermercados a ter empacotadores em seus quadros de funcionários. Como se isso fosse resolver o desemprego...

Mas é isso que chama a atenção, é com isso que o populista enche o peito e diz que cuida do trabalhador. Capacitar, ensinar, profissionalizar não dá voto, não aparece, não faz bonito na mídia.

Desculpe, era pra ser um comentário e virou um post. Exagerei. 8)

7:04 PM  
Blogger Virgínia disse...

Nem vou comentar nada, porque senão só sairiam um belos palavrões. Mas uma coisa posso dizer: governo populista de meia-tigela! Bj

11:33 AM  
Blogger Giovanna disse...

Pois eu acho que isso vai além do populismo, alguém vai ganhar muuuuuuuuuuito dinheiro com isso, e, coincidentemente, estamos em ano de eleição, mas, é claro, isto é só uma suposição....rs... essa visão de patrão malvado e empregado bonzinho não cola mais, o piantra é pilantra em qq estágio hierárquico em que ele se encontre - se vai roubar canetas ou milhões, é apenas uma questão de oportunidade... quem eles pensam que enganam??? bjo

2:03 PM  
Blogger Muñeca disse...

Não estou bem dentro do assunto das medidas governamentais no Brasil. O que soa por aqui é que esse belo país é apontado como próximo alvo de emigrantes, já que na Europa a crise que estalou está para durar!

Acha que precisam de arquitetos por aí?!

Se sim, eu vou voando!!!
Não me importo de picar o dedo, não!

Aliás, trabalhei durante 2 anos num ateliê que até as cadeiras estavam todas rotas e meio partidas. Mas tinha pica dedo. Uma fortuna para colocar esse negócio, mas dava sempre aquele ar chique, né?

Beijocas portugas,

Muñeca

3:50 PM  
Blogger Cláudia disse...

Giovanna, também acho que isso foi feito sob medida pra alguém se dar bem.

Muñeca, nao sei como anda o mercado de arquitetos, mas sei que contratar gente de nível técnico é dificilimo, porque faltam profissionais bem formados no mercado.

beijos

5:48 PM  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial